Raul Duarte

Guitarra

Minha história com a música começou cedo: com 10 anos de idade meus pais me matricularam em um coral para crianças, lá eu conheci o Julimar, e a partir dali construímos uma amizade que nos solidificaram além da música, até aqui. Nesta época alguns amigos de família se reuniam na minha casa para tocarem violão, eu me apaixonei pelo o instrumento e quis aprender a tocar também. Nesta época meu pai já me presenteava com CD’s de bandas de rock: Legião Urbana, Engenheiros do Hawaí, Bon Jovi, Gun’s and Roses… mas tudo mudou quando ele me deu um CD de capa toda preta, com o nome “NIRVANA” na frente, aquilo era um mundo novo diante de mim.
Na adolescência, a convite do Julimar, entrei para a minha primeira banda, chamada “Syron Field”, tocávamos cover de Iron Maiden, Metallica, Megadeth e tínhamos nossas próprias composições. Posteriormente a Syron Field acabou e eu fiquei um longo período sem tocar com banda até que entrei para uma banda de deathcore belorizontina chamada “Inbraile”, onde eu conheci o Vini, nosso baixista; ali se passaram em torno de 4 anos.

Com a Inbraile chegando ao fim, o Vini me convidou para integrar um projeto com ele e o Peter, ali estava nascendo a Raising Conviction. No primeiro encontro já se notava um grande alinhamento de expectativas devido a anos de experiência que todos tinham com banda. Foi aí que eu convidei o Julimar para ser nosso vocalista e aqui estamos.

Definitivamente, o nascimento da Raising Conviction foi um novo começo para todos.

 

Minhas maiores influências são As I Lay Dying, August Burns Red, Mudvaine, Mettalica e Slipknot.

Aos 13 anos sofri um acidente doméstico; rompi ligamentos e artérias dos dois braços em uma porta de vidro, por pouco não tive que amputar as mãos, e também por pouco não sobrevivi… Na fase de recuperação, sem movimento nas mãos, a paixão pela música me fez não esperar pelas sessões de fisioterapia; decidi entrar em guerra com a dor e recuperar os movimentos (tocando violão) logo para que eu pudesse voltar a tocar, então uma recuperação de 2 anos durou apenas 6 meses. Esse período ainda me trás muitos ensinamentos à medida em que amadureço como músico e como pessoa.

Sou cristão e me considero discípulo de Jesus, o meu relacionamento com Ele define quem sou e a forma como enxergo a vida e os seus desafios, hoje vivo isso fora das correntes da religiosidade contemporânea.

Sou publicitário, amante da arte e casado com uma professora de Yoga, atualmente exerço a minha profissão como coordenador do Departamento de Comunicação e Marketing da OniMusic, que é um dos principais selos de música cristã do Brasil.
Meu nome é Raul em homenagem ao cantor Raul Seixas, escolha do meu pai. 🙂